CONHEÇA NOSSO BLOG
21Nov

Você sabe como funciona a sedação inalatória?

Muitos pacientes sentem medo de procedimentos odontológicos, e seu comportamento acaba interferindo no sucesso e na segurança do atendimento. Para conter esse sentimento e acalmá-los, alguns dentistas optam pela sedação inalatória, principalmente nos Estados Unidos.

A sedação consciente só pode ser realizada por cirurgiões habilitados, já que cada caso exige uma indicação específica. Porém, tanto crianças quanto adultos se beneficiam dessa técnica, e deixam a ansiedade de lado sem problema algum.

Para entender como a técnica funciona e ficar tranquilo quando precisar usá-la, preparamos este artigo explicativo. Tire suas dúvidas e confie no profissional responsável pelo seu sorriso!

O que é a sedação inalatória?

Conhecido informalmente como “gás hilariante”, o óxido nitroso (N2O2) é utilizado em cirurgias odontológicas desde a década de 1840. Nessa época, estudos já eram conduzidos para comprovar seu auxílio no alívio da dor e da apreensão durante procedimentos delicados.

Mais tarde, por volta de 1868, um cirurgião americano chamado Edmund Andrews combinou a substância com oxigênio, que resultou na fórmula que é utilizada até hoje para sedação inalatória. O método é muito popular por ser seguro e eficiente.

Em sua utilização, o paciente recebe de 30 a 70% de oxigênio somado a cerca de 30% a 70% de N2O2. O gás tem um cheiro doce, não irritante e é incolor. Em nenhum momento os pacientes perdem a consciência: podem participar, falar e têm total controle das funções corporais.

Contudo, como resultado, existe a perda de noção do tempo e muita tranquilidade no tratamento realizado. Ele começa a agir em aproximadamente 3 minutos após a inalação e não é considerado um anestésico.

Quais são seus benefícios?

Pacientes que se mostram muito agitados ou inseguros durante a cirurgia podem ter seu grau de sedação inalatória aumentado. Quando mais tranquilos, esse grau também pode ser diminuído, de acordo com a necessidade identificada pelo dentista.

Após a sessão, nenhuma alteração fisiológica é identificada. Qualquer pessoa está apta a caminhar, exercer atividades diárias e até mesmo dirigir. A sedação também não apresenta qualquer interferência no funcionamento do coração e dos pulmões.

Portadores de doenças cardíacas ou hipertensão podem se submeter ao uso sem demais preocupações. Inclusive, nesses casos, o gás diminui a frequência cardíaca e a pressão arterial. A sensação obtida pelo paciente é de relaxamento profundo e bem estar.

Quais cuidados devem ser tomados?

A orientação geral para pessoas que passarão por sedação inalatória é o alimentação leve durante as 4 horas que precedem a cirurgia ou consulta. Também não é aconselhada a ingestão de leite ou derivados nas 2 horas anteriores.

O paciente precisa informar ao dentista todos os medicamentos que estão em uso, mesmo que sejam de cunho homeopático ou natural. Isso porque alguns dos componentes desses remédios interferem na sedação e o consumo deve ser suspendido em até 24/48 horas antes.

Quem não pode fazer sedação inalatória?

Não existem contra-indicações graves para o gás hilariante. Mas é preciso avaliar com mais atenção a situação de pacientes que apresentem enfisema pulmonar severo ou problemas respiratórios mais agravados.

A sedação inalatória é realizada via nasal, então qualquer constipação ou dificuldades apresentadas podem ser um empecilho.

Durante todo o procedimento odontológico, existe o monitoramento obrigatório dos sinais vitais. O aparelho responsável pela atividade é o oxímetro de pulso, uma leve mola colocada em um dos dedos da mão, que determina a frequência cardíaca, a quantidade de oxigênio no sangue e a pressão arterial.

Você tinha conhecimento sobre todas essas informações? Já passou pela sedação inalatória e tem uma experiência para contar? Deixe um comentário abaixo!

Posts RecentesTags
  • Copyright © 2018 Instituto Oral Itaim - CRO CL : 12962 | RT: Joana Ozi CROSP: 92.804
  • Agência Trii